Quem conta um Conto... A arte das histórias nas organizações

QI ou QI?

Escolha acreditar no SIM

Se você não venderia seu carro, pode desistir agora mesmo

Felicidade: qual é a sua chave?

Certa vez, durante minhas férias, me deparei com um casal de portugueses que administrava um conjunto de quadriciclos na linda praia pernambucana de Porto de Galinhas. Eu mesma loquei um dos equipamentos para um desses passeios que a gente faz só pra curtir a paisagem, sentir o sol batendo na pele e o vento soprando no rosto. Sorridente, ela fez meu troco enquanto ele foi buscar meu quadriciclo.
Diante do sotaque, não me aguentei de curiosidade e perguntei o que eles faziam trabalhando ali, tão longe de casa. Qual não foi meu espanto ao descobrir que ambos decidiram, após uma viagem de férias (como aquela minha), vender a empresa que tinham em Lisboa e se mudar para o litoral nordestino. Com o dinheiro da empresa, compraram uma boa casa, alguns quadriciclos e ainda montaram uma pizzaria. O que buscavam ali? “Felicidade”, respondeu ele, me olhando por cima dos óculos escuros, nariz descascando e um astral de fazer inveja a qualquer um. Ao que tudo indica, o objetivo fora alcançado!
Essa passagem me fez – e ainda faz – refletir um bocado sobre a vida. Calma, ninguém aqui está dizendo que é preciso largar tudo e procurar uma praia paradisíaca para viver da locação de quadriciclos. Mas o exemplo desse casal vale uma ponderação mais demorada. Será mesmo que a felicidade está no salário alto, na posição social, na vida louca e no stress das grandes metrópoles?
Quem não conhece alguém que mudou de rumo, de emprego e foi trabalhar com algo novo, com o simples objetivo de buscar a felicidade? Sim, porque a felicidade tem tudo a ver com propósito. E é por isso que ela pode ser encontrada quando o seu propósito vai ao encontro do propósito da sua empresa, do seu negócio, o que acaba por tornar o dia a dia mais suave, mesmo com todos os contratempos que o mundo corporativo nos impõe. Em outras palavras, no mundo dos negócios a felicidade independe de promoções ou regalias. Trata-se, simplesmente, de a empresa gerar sentido para o trabalhador.
Há quem diga que uma empresa sem propósito não tem alma. E como tudo na vida, para ganhar relevância, uma empresa precisa de um sentido. Mas também não basta ter sentido se não houver uma comunicação adequada desse sentido. Funcionários, clientes, investidores e concorrentes precisam compreendê-lo. Mais do que isso, senti-lo na rotina da empresa, em suas ações, em seus produtos e serviços, em suas comunicações com os stakeholders.
Esse tema tem ganhado corpo no ranking de atenção dos executivos. Felizmente (com o perdão do trocadilho), as empresas têm estado mais atentas à felicidade de seus funcionários. O tema é título de livro, pauta de jornal econômico, foco de estudo e já virou até fator de medição no reino do Butão, um pequeno país na cordilheira do Himalaia que trocou o conceito do Produto Interno Bruto (PIB) pelo de Felicidade Interna Bruta (FIB).
Nas universidades pelo mundo, virou disciplina. No Brasil, Ética da Felicidade. No México, Ciência da Felicidade. Nos Estados Unidos, Psicologia Positiva. O nome pouco importa, o que vale mesmo é conhecer um pouco mais desse mistério que nos atrai e nos fascina desde que o mundo é mundo.
É indiscutível que gente feliz trabalha melhor e quem trabalha bem gera mais lucro. Bons relacionamentos, estabilidade emocional e confiança contam muito para o nível de felicidade das pessoas, segundo estudo conduzido há oito décadas pela Universidade de Harvard. É claro que não dá pra ser feliz o tempo inteiro, o que nos leva a crer que a felicidade é um conjunto de momentos. E dá - sim! - pra fazer esse conjunto crescer cada vez mais em nossa vida, através de pequenas experiências diárias de prazer e significado.
Transpondo a questão ao mundo dos negócios, voltamos ao propósito, considerado hoje uma tendência mundial ao unir trabalho e satisfação. Fica a dica: busque seus propósitos de vida e de trabalho e considere convergi-los numa jornada única, que levará você a uma nova postura perante a vida, os problemas e as adversidades. Essa jornada mental de positividade certamente é uma trilha ao êxito em qualquer empreitada, uma chave à tão almejada Felicidade. Experimente!

Fontes de pesquisa:
http://www.rhportal.com.br/artigos-rh/gesto-da-felicidade-no-mundo-corporativo/
http://economia.estadao.com.br/blogs/radar-do-emprego/2016/07/11/a-cultura-da-felicidade-no-ambiente-corporativo/
https://www.youtube.com/watch?v=uEzjMi0G2yQ
 

14/06/2017 |
Quem conta um Conto... A arte das histórias nas organizações

14/06/2017 |
QI ou QI?

14/06/2017 |
Escolha acreditar no SIM

14/06/2017 |
Se você não venderia seu carro, pode desistir agora mesmo

02/06/2017 |
Livros

30/05/2017 |
Como Fazer uma Cipa Fora de Série

30/05/2017 |
Guia Prático da Liderança pela Segurança

30/05/2017 |
Faça a Diferença – Seja Líder em saúde e Segurança

2012 © Cynthia Dalvia - All rights reserved.
home perfil equipe serviços portfolio clientes contato